domingo, 13 de maio de 2012

JEAN-OVIDE DECROLY

Christiana Tavares
Julia Cuiabano
Lucidalva Silva
Patricia Campos

"Convém que o trabalho das crianças não seja uma simples cópia; é necessário que seja realmente a expressão de seu pensamento".




BIOGRAFIA
Decroly nasceu em 23 de julho de 1871, em Renaix, na Bélgica. Filho de Jean-Baptiste Etienne Decroly, um industrial, e de Justine Aimée Louise Soret, uma professora de música.

Os primeiros anos da sua vida foram passados no meio de um grande jardim onde o pai o iniciou nos trabalhos manuais. Era um estudioso das realidades do mundo e foi um naturalista muito expressivo no seu tempo. Como estudante, não teve dificuldade de aprendizado, mas se recusava a frequentar as aulas de catecismo e, por causa de indisciplina, foi expulso de várias escolas. Mais tarde preconizaria um modelo de ensino não autoritário e não religioso.

Iniciou sua vida acadêmica no curso de Ciências Biológicas, manifestando grande interesse pelas investigações laboratoriais. Em 1896 diplomou-se em medicina na Universidade de Gand, continuou os estudos em Berlim e depois em Paris (1897), onde estudou neurologia e se especializou em doenças nervosas. Sua atenção voltou-se desde o início para as crianças deficientes mentais. Esse interesse o levou a fazer a transição da medicina para a educação. Por essa época criou uma disciplina, a "pedotecnia", dirigida ao estudo das atividades pedagógicas coordenadas ao conhecimento da evolução física e mental das crianças.

Casou-se em 1898 com Agnes Guisset, filha do industrial Jean-Baptiste Guisset, e teve três filhos.
Ao regressar à Bélgica em 1901, dedicou-se ao estudo da infância deficiente e fundou um instituto para a educação de excepcionais em Uccle, na região de Bruxelas.
Em 1907, fundou “L’École de l’Hermitage”, cujo ensino era direcionado aos meninos considerados de infância irregular, e que se tornou famosa como exemplo da Escola Nova. Ali aplicou ao ensino de crianças normais as conclusões extraídas da educação de excepcionais. Nomeado Professor de psicologia da Universidade de Bruxelas (1912), também fundou e presidiu a Foyer des Orphelins, em 1915. Também foi um dos fundadores do Cofondateur de la Ferme-Ecole de Waterloo (1924).
No 1º Congresso Internacional de Calais de 1921, deu sua contribuição para a fundação da Liga Internacional da Educação Nova.

Em seus últimos anos de vida, atuou como professor de Psicologia, destacando-se nesta área. Sofreu seu primeiro enfarte em 1930 e faleceu em setembro de 1932, em Uccle.

OBRAS
Decroly viajou pela Europa e pela América, fazendo contatos com diversos educadores, entre eles o norte-americano John Dewey (1859-1952). Decroly escreveu mais de 400 livros, mas nunca sistematizou seu método por escrito, por julgá-lo em construção permanente.
Seus mais importantes livros foram:
­ Vers l'école rénovée (1921)
­ La Méthode Decroly (1922)
­ Fonction de globalisation (1923)
­ Évolution de l'affectivité (1927)
­ Developpement du langage (1930).


O CONCEITO DE INTERESSE
O conceito de interesse é fundamental no pensamento de Decroly. Segundo ele, a necessidade gera o interesse e só este leva ao conhecimento. Fortemente influenciado pelas ideias sobre a natureza intrínseca do ser humano preconizadas por Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), Decroly atribuía às necessidades básicas a determinação da vida intelectual. Para ele, as quatro necessidades humanas principais são comer, abrigar-se, defender-se e produzir.


CONCEPÇÃO DE ESCOLA/EDUCAÇÃO
Por ter sido, na infância, um estudante indisciplinado, que não se adaptava ao autoritarismo da sala de aula nem do próprio pai, Decroly dedicou-se apaixonadamente a experimentar uma escola centrada no aluno, e não no professor, e que preparasse as crianças para viver em sociedade, em vez de simplesmente fornecer a elas conhecimentos destinados a sua formação profissional. O aluno deveria conduzir o próprio aprendizado baseado em seus interesses e, assim, aprender a aprender.
Decroly foi um severo crítico da escola do seu tempo e comparava-a a um quartel silencioso e autoritário. Para ele, a educação e a sociedade deveriam estar em interação constante, devendo a escola ser um prolongamento da vida. Concebia as relações dentro da escola como uma sociedade em miniatura. A escola teria uma função preventiva, de garantir formação intelectual, física e moral sólida para construir uma vida de cidadão. Entretanto, esta visão não pode ser confundida com o conceito da criança como sujeito incompleto. Para ele, a educação não se constitui na preparação para a vida adulta, mas no meio onde a criança irá conduzir a formação de sua identidade, vivenciando e resolvendo os conflitos no momento em que eles aparecem.
O professor aparece como criador de ambientes propícios à autoatividade, autoeducação, à globalização, realismo, originalidade e criatividade; garantindo o direito do aluno de crescer livremente e realizar-se em plenitude.


CENTROS DE INTERESSE
Decroly acreditava (assim como Montessori), que o ensino deveria se aproveitar das aptidões naturais de cada faixa etária. Preferia o trabalho em grupos, uma vez que a escola, para ele, deveria preparar para o convívio em sociedade. Os centros de interesse são grupos de aprendizado organizados segundo faixas de idade dos estudantes, concebidos com base nas etapas da evolução neurológica infantil e na convicção de que as crianças entram na escola dotadas de condições biológicas suficientes para desenvolver os conhecimentos de seu interesse.

Nos centros de interesse, a criança passa por três momentos: o da observação, o da associação e o da expressão. Exemplo: a necessidade de comer faz surgir o estudo da alimentação, a origem e a classificação dos alimentos, os preços, quem os produz e onde, como são preparados. E, de acordo com a curiosidade das crianças e o desenvolvimento, surgirão noções de geografia, ciências, história, higiene, cálculo, redação e desenho. Diante dessa riqueza de possibilidades exploratórias, a duração do centro de interesse é muito flexível, podendo estender-se durante meses.

Observação: a sala de aula está por toda parte, na cozinha, no jardim, no museu, no campo, na oficina, na fazenda, na loja, na excursão, nas viagens...
Associação: possibilita que o conhecimento adquirido por meio da observação seja compreendido em termos de tempo e de espaço.
Expressão: possibilita ao professor avaliar aquilo que o aluno aprendeu e sua atenção na linguagem gráfica ou outra qualquer, integrando, assim, os diversos conhecimentos adquiridos.

Os centros de interesse são precursores do princípio de interdisciplinaridade. Pressupõe a construção do currículo pelo próprio aluno, sem a separação tradicional entre as disciplinas.

PRINCÍPIO DA GLOBALIZAÇÃO
O princípio de globalização de Decroly se baseia na idéia de que as crianças apreendem o mundo com base em uma visão do todo, que posteriormente pode se organizar em partes, ou seja, que vai do caos à ordem. O modo mais adequado de aprender a ler, portanto, teria seu início nas atividades de associação de significados, de discursos completos, e não do conhecimento isolado de sílabas e letras.

 LINGUAGEM
No campo da expressão, Decroly dedicou cuidadosa atenção à questão da linguagem. Para ele, não só a palavra é meio de expressão, mas também o corpo, o desenho, a construção e a arte.
Com a ampliação do conceito de linguagem, que a linguística viria a corroborar, Decroly pretendia dissociar a idéia de inteligência da capacidade de dominar a linguagem convencional, valorizando expressões "concretas" como os trabalhos manuais, os esportes e os desenhos.

PROPOSTA PEDAGÓGICA
Decroly chegou a propor medidas para a reforma da escola, como: classificação prevista dos alunos, formação de classes homogêneas, diminuição do efetivo das classes, modificação dos programas, distribuindo os assuntos de maneira diversa, partindo da própria criança, seus interesses e necessidades.
Decroly desenvolveu seu trabalho valorizando os aspectos da observação, associação, expressão, a preferência pelos métodos intuitivos, ativos e construtivos e o emprego de jogos educativos.

8 comentários:

  1. muito interessante os métodos de ensino.

    ResponderExcluir
  2. gostei de estudar sobre Decroly .

    ResponderExcluir
  3. com este conceito ele também influênciou a inclusão nos nossos dias...

    ResponderExcluir
  4. gostei de saber sobre um pouco do decroly

    ResponderExcluir
  5. ficou meio escondido a concepção dele sobre o aluno, o que ele achava do aluno!!
    mas muito bom

    ResponderExcluir
  6. estou estudando e pesquisando sobre Decroly estou gostando muito bom!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Usarei as informações para elaborar meu trabalho de pesquisa. Quero parabenizá-los pela organização e disposição das ideias. Tenho que ter muito alto controle para dizer não as teclas Ctrl+c e Ctrl+v!
    Obrigada

    ResponderExcluir