terça-feira, 29 de maio de 2012

ANTON SEMYNOVICH MAKARENKO



Considero que a vida está na origem de tudo o que é belo... Amo a vida tal como ela é. É bela justamente porque não é prática, porque não tem o egoísmo por medida, porque é feita de lutas e perigos, de sofrimentos e de pensamentos, de uma espécie de altivez e independência perante a natureza... Vivo porque amo a vida, amo o dia e a noite, amo a luta, gosto de ver o homem crescer, lutar contra a natureza e, entre outra, contra a sua própria natureza... O homem deve ter uma só especialidade: deve ser um homem, um homem verdadeiro.
(Makarenko, 1980, p.14).


Anton Makarenko nasceu no dia 13 de março de 1888 na cidade de Belopole Sumy na Ucrânia. Filho de pintor de construção civil e de uma narradora de história e dona de casa (Semión Grigorievitch e de Tatina Mijailovna Dergachova), Makarenko teve uma infância pobre, mas aprendeu a ler e a escrever com sua mãe antes mesmo de frequentar uma escola. Apesar de ter tido contato com várias disciplinas na escola, ele não pode estudar sua língua materna (ucraniana), pois o império czarista da Rússia proibia, assim como a Filosofia e a Lógica que eram estudos apenas para elite.
Após completar seus estudos, Anton Makarenko formou-se como professor. A partir dessa época começou a lecionar em Kriukov, em uma escola ferroviária, onde vivia com os pais desde os doze anos de idade. Esse trabalho durou seis anos, tendo início em 1905 e encerrando em 1911.
Em 1914, entrou para o Instituto Pedagógico de Poltava, onde trabalhou como inspetor de ensino primário superior. Concomitantemente, terminou os seus estudos em 1917 diplomando-se em Pedagogia. Assumiu então a direção de uma escola secundária e esteve contato com as idéias de Lênin e Máximo Gorki que influenciaram seu modo de lidar com a educação. Mudou o currículo escolar implantando o ensino da língua ucraniana e ampliação do espaço cultural na escola.

A convite do governo russo, Makarenko assume, em 1920, uma colônia perto de Poltava, para crianças e jovens adolescentes abandonados de guerra, que se tornaram delinqüentes. Esse local recebeu o nome de Colônia de Gorki[1]. Paralelamente, Makarenko passa também a administrar a Comuna Dzerjinski, em Kharkov. Essa foi a experiência mais gratificante e desafiadora da vida dele, foi uma nova etapa profissional deste pedagogo de espírito inovador.

Makarenko vivenciou a Primeira Guerra Mundial, a Revolução Russa, presenciava as reivindicações de países que queriam se livrar da miséria e da desigualdade e convivia de perto com a carência afetiva e material dos jovens cujos pais operários trabalhavam para os burocratas da época.
 Durante sua trajetória profissional Anton Makarenko registrava suas experiências, feitos, erros e acertos, publicou novelas, peças de teatro e livros sobre educação, sendo “Poema Pedagógico” o mais importante. Ele faleceu em 1º de abril 1939 de ataque cardíaco durante uma viagem de trem na cidade de Golizyno, na Rússia.


*      Preceitos educacionais:

·         Formar crianças capazes de dirigir a própria vida no presente e a vida do país no futuro.
·         Escola: Permitir contato com a sociedade e com a natureza, ser um lugar para o viver a realidade concreta e participar das decisões sociais. O estudo do meio já era comum na escola de Makarenko, ainda que sem esse nome.
·         Formação do “novo homem”: formação política, sentimento de dever e responsabilidade com objetivos e interesses da sociedade, do coletivo;
·         Colaboração, solidariedade, camaradagem
·         Disciplina e rigor
·         Saber comandar e ser comandado

*      O TRABALHO COLETIVO
1- Coletivo: respeito a cada aluno
- Oposição a visão de massificação que despersonaliza a criança: o grupo estimula o desenvolvimento individual.
- Felicidade: um conceito que só teria sentido se fosse para todos. É encontrado na coletividade. 
2- O papel da escola e da família na educação:
- Órgãos normativos: a escola incentiva a participação dos pais e os orienta na educação dos filhos:
- Pais muito "melosos" ou ausentes seriam incapazes de educar uma pessoa forte, madura e inteligente. "O carinho, como o jogo e a comida, exige certa dosagem", dizia.
3- A disciplina: é um meio e não um fim
- Disciplina como responsabilidade no cumprimento do papel no coletivo para o alcance das metas planejadas;
- Rigor e trabalho
4 – Práticas educacionais:
- Oficinas: trabalho para recursos na autogestão da escola.
- Atividades: Exercícios físicos, trabalhos manuais, recreação, excursões, aulas de música, idas ao teatro.
- “Agrupamentos” : na Colônia Gorki, meninos e meninas eram divididos em grupos de dez, de diferentes faixas etárias.
-Assembléias para tomadas de decisões coletivas: um representante de cada turma participava de assembléias e reuniões em que se discutiam as situações da escola: um objeto roubado, a melhoria do prédio, a compra de materiais, a limpeza dos banheiros, os problemas particulares. Sexo e namoro também tinham espaço nas reuniões. Normas e decisões não podiam ser predeterminadas. O primeiro e o último voto eram sempre dos alunos.


Visita de Gorki

*            Principais Contribuições/Implicações na Educação e na Educação infantil

*      Visão do coletivo: vida em grupo
- Decisões coletivas decididas em assembléias mediadas por um “diretor”
-Autogestão na coletividade: cada um depende do trabalho do outro
-Agrupamentos
- Saber comandar e ser comandado, sem opressão.
- Não há como educar um coletivo infantil se não houver um coletivo de pedagogos: o coletivo dos professores e das crianças são o mesmo coletivo pedagógico (exige tempo, diferentes perfis que se complementem, etc.)
*      Vez e voz para as crianças
- Respeito e direito das crianças em opinar e discutir necessidades no universo escolar
- Participação da criança na organização da vida escolar
*      Relação família escola
- Contribui para repensar o papel da família e da escola na formação da criança
-  Incentivo a participação dos pais nas atividades culturais e recreativas e  orientações sobre a educação dos filhos
*      Registros e relatórios diários
- Cada etapa das experiências registradas em relatórios, textos, livros.
- A análise da prática diária ensina mais que todas as teorias pedagógicas
- Poema Pedagógico: principal obra - descrição da rotina, das dificuldades e dos desafios encontrados, do que considerou erros e acertos na prática educacional.
*      Formação cidadã, crítica: ética, estética e política
Educar: Formar (com rigidez e disciplina) personalidades conscientes de seu papel político, cultas, sadias,trabalhadoras preocupadas com o bem-estar do grupo,solidários.
- Trabalho: para além do valor econômico – essencial na formação do homem.
*      A criança, a brincadeira e o jogo
- O espaço e a vez da brincadeira: necessidade própria da infância.
- O valor e importância do jogo: elementos próprios da infância e do adulto
- “Pensam que nós adultos não brincamos? Claro que brincamos!”
*      O Bom mestre e competência pedagógica: disciplinamento e “domínio” de turma?
-Competência e qualificação: comportamento (gestual,impostação de voz, arte dramática,etc) e conhecimento.
- “É necessário não só dar instruções ao pedagogo, mas também educá-los”.
-  “É necessário criar formas que obriguem cada aluno a fazer parte da movimentação comum. É assim que educamos o coletivo, formando-o”.
                       
*      Alguns questionamentos:

* O que caracteriza o bom mestre hoje?  O que entendemos por competência pedagógica e qualificação nos educadores das escolas contemporâneas?

*O debruçar-se sobre a prática educacional cotidiana através do registro diário auxilia a compreender melhor as questões educacionais mais simples e as mais complexas?
A comparação com registros anteriores contribuem para a compreensão na educação no mundo (necessidades específicas da época, contextualizadas e as atuais)?

* Que condições as escolas oferecem para que as crianças conheçam de fato, através da prática, e não de discursos e ideias abstratas o significado de grupo? Que estratégias são possíveis para que as crianças se sintam responsáveis pela escola e pelo bem-estar de seus colegas?

* Que desafios encontramos e precisamos superar para formar pessoas cada vez menos individualistas e com maior senso de coletividade?

* Estamos educando para a colaboração e a solidariedade? Qual o valor e o espaço ocupado para esses valores no atual contexto educacional, político e econômico?  Que concepção de “homens” e cidadania estamos contribuindo para formar através das nossas práticas e propostas pedagógicas?

Indicações bibliográficas

Anton Makarenko, Vida e Obra A Pedagogia na Revolução, Cecília da Silveira Luedemann, 432 págs., Ed. Expressão Popular, tel. (11) 3105-9500.

Poema Pedagógico, 3 vols., Anton Makarenko, Ed. Brasiliense, 1983 (disponível apenas em bibliotecas)

Conferências sobre Educação Infantil, Anton Makarenko, Ed. Moraes, 1981 (disponível apenas em bibliotecas) 

A pedagogia da vida do trabalho. Makarenko, A.S. In: Gagotti, M. Histórias das ideias pedagógicas. São Paulo: Àtica,1993.p.135-138

O nascimento da pedagogia socialista. René Capriles. Ed. Scipione,São Paulo,1989.


http://www.youtube.com/watch?v=_GxKLAMB4sg&feature=fvsr


[1] Máximo Gorki era um escritor admirado por Makarenko e sob a influência de Gorki, adota uma regra que é traduzida pela sua experiência pedagógica: "exigir o mais possível do homem, e respeitá-lo o mais possível". Durante sua administração na Colônia e na Comuna, Makarenko e seus pupilos mantinham correspondência com Gorki, que em 1928 realizou uma visita a esses dois locais de estudo e de trabalho. O trabalho de Makarenko foi considerado por Gorki uma expressão do humanismo vivido pelo administrador daqueles lugares, que chegou a declarar terem sido, aqueles dias, os mais felizes de toda a sua vida.
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário